Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de
Ensino de Presidente Prudente e Região

NOTÍCIAS DO DIA
Professores na Greve Geral, diretor do Inep é exonerado, ex-ministros lançam carta em defesa da Educação, e mais.

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Sexta-feira, 14 de junho, não tem aula! 
Saiba mais, aquihttps://bit.ly/2XtRPhZ


 

 


Diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep é exonerado
G1; 05/06
https://glo.bo/2KspyVu

Garonce, que havia sido anunciado para a diretoria no dia 17 de abril, ficou pouco mais de um mês no posto. Antes dele assumir, a diretoria ficou sem comando por quase um mês, desde o dia 27 de março, quando Paulo César Teixeira pediu demissão. De acordo com o jornal O Globo, Garonce havia sido convidado para o posto pelo então presidente do Inep, Elmer Vicenzi, que também já saiu do cargo. O atual presidente do Inep é Alexandre Lopes, 4º ocupante da função desde janeiro e o 3º nomeado na gestão Bolsonaro.

 

Ex-ministros da Educação lançam carta em defesa das da educação,
da autonomia universitária e da igualdade de acesso

G1; 04/06
https://glo.bo/2WngjwM

Seis ex-ministros da Educação (veja lista abaixo) assinaram uma carta em defesa das políticas públicas da área, pedindo a garantia de recursos, maior autonomia universitária e igualdade de acesso. O documento foi apresentado nesta terça (4) durante um evento na Universidade de São Paulo (USP).

 

Confira a carta dos ex-ministros da Educação na íntegra
Olhar do Campus; 04/06
http://bit.ly/2WpMs71

“Nós, ex-ministros da Educação que servimos o Brasil em diferentes governos, externamos nossa grande preocupação com as políticas para a educação adotadas na atual administração […]”.

 

 


Bloqueio na educação pode ter impacto irreversível, dizem ex-ministros
UOL; 04/06
http://bit.ly/2QONXFH

Seis ex-ministros da Educação divulgaram hoje um manifesto em que afirmam que os bloqueios aplicados na área da educação pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) podem ter efeitos “irreversíveis” e “até fatais”. “Contingenciamentos ocorrem, mas em áreas como educação e saúde, na magnitude que estão sendo apresentados, podem ter efeitos irreversíveis e até fatais. Uma criança que não tenha a escolaridade necessária pode nunca mais se recuperar do que perdeu”, diz o documento.

 

Capes bloqueia mais 2,7 mil bolsas de pesquisa
Estadão; 04/06
http://bit.ly/2KshJiA

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) anunciou nesta terça-feira, 4, o bloqueio de mais 2.724 bolsas de mestrado e doutorado no País. O órgão, ligado ao Ministério da Educação (MEC), diz que o congelamento é necessário em função do contingenciamento de R$ 7,4 bilhões do orçamento. O bloqueio, segundo o governo, não afeta quem já recebe o benefício. Serão congeladas bolsas que estavam previstas para os programas de pós-graduação em 2019 – a maioria com processo seletivo em andamento.

 

Fies 2019: edital está disponível 
e inscrições começam em 25 de junho

Destak; 03/06
http://bit.ly/2Z6M3mS

Está disponível o edital do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies). O edital foi publicado no Diário Oficial da União na sexta-feira (31). Os interessados podem conferir as regras válidas para o segundo semestre. As inscrições acontecem entre 25 de junho e 1º de julho, até as 23h59 (horário de Brasília), no sistema eletrônico FiesSeleção.

 

 


14 de junho: Professores na Greve Geral 
Sinpro ABC; 04/06
http://bit.ly/2WPvFcQ

A paralisação será a resposta dos professores e professoras contra o corte drástico de recursos para a Educação e contra o fim da Previdência Pública que empobrecerá todos os assalariados todos os assalariados e os aposentados de modo geral.


Reforma da Previdência: 
‘Somente o setor financeiro vai ganhar com a capitalização’

Rede Brasil Atual; 04/06
http://bit.ly/2QQefaD

A economista Maria Lúcia Fattorelli, coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida, afirmou que a “reforma” da Previdência do governo Bolsonaro vai beneficiar apenas os bancos, responsáveis por gerir as contas individuais destinadas a aposentadoria no “novo” sistema de capitalização idealizado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ela e outros especialistas ouvidos na comissão especial que analisa o projeto, o trabalhador arcará com a “insegurança total” no novo modelo. “A crise tem garantido o aumento do lucro dos bancos. No ano passado, com a economia toda estagnada, o PIB parado e agora caindo, com o povo desempregado, indústrias quebrando, num processo gravíssimo de desindustrialização, os bancos continuaram lucrando. E o Brasil comanda a pobreza na América Latina, e a extrema-pobreza, que já tinha desaparecido da estatística brasileira, voltou. Essa PEC vai piorar isso, e quem votar nela vai ser responsável”, afirmou.

 

Vídeo explicativo: Que Reforma É Essa?
Que Reforma é Essa?; 03/06
http://bit.ly/2MEVxEm

Teve início nesta terça-feira, 4 de junho, a campanha “Que reforma é essa?”, em defesa da Previdência Social e contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, projeto com o qual o governo Bolsonaro tenta destruir o direito a previdência pública, a seguridade social e o direito à aposentadoria de milhões de trabalhadores e trabalhadoras brasileiros. O primeiro tuitaço, que lançou a campanha, foi um sucesso e a hashtag #QueReformaÉEssa atingiu o primeiro lugar nos Trending Topics — assuntos mais comentados e compartilhados — do Twitter no Brasil em menos de uma hora. [Justamente porque é preciso espalhar a verdade sobre essa reforma é que a Contee está convocando as entidades filiadas a também apoiarem e divulgarem a campanha. No site http://reformadaprevidenciabrasil.com.br estão disponíveis informações e materiais, que podem ser baixados e compartilhados por todas as entidades. Sindicatos e federações que tiverem vídeos alertando contra a reforma também podem enviar à campanha, por meio do próprio site.

 

 


Sinpro ABC: Assembleia Educação Básica – 08/06
Sinpro ABC; 04/06
http://bit.ly/2UoRa2X

O Sindicato dos Professores do ABC e Região convoca os docentes para uma assembleia no dia 08/06, sábado, para discutir: a) Autorização para eventual instauração de dissídio coletivo; b) Mobilização e formas de luta; e c) Autorização para assembleia permanente. Esta assembleia faz parte da série de conversações entre a categoria na Campanha Salarial de 2019.

 



“Não há professores eficientes e qualificados, 
se não houver professores bem remunerados”

Nova Escola; 04/06
http://bit.ly/2HWrvrF

“Apesar das nossas diferenças, divergências dos governos que servimos, compartilhamos uma agenda civilizatória que se expressa no meio ambiente, na Educação, na justiça, na saúde, nas relações exteriores”, afirmou o ex-ministro Renato Janine Ribeiro na abertura da coletiva de imprensa sobre o manifesto em favor da Educação no Brasil. Seis ex-ministros da Educação assinam um documento em defesa da liberdade de cátedra e contra os cortes na Educação. “A Educação precisa de certas garantias fundamentais e autonomia dos professores e liberdade de cátedra são questões absolutamente inegociáveis”. Ainda nessa linha, Murílio Hingel afirmou: “Não há Educação de boa qualidade se não houver recurso disponível. Não há professores eficientes, qualificados, se não houver professores bem remunerados”.

 

 



Contra ‘balbúrdia’, professor cria diário 
e narra dias na universidade

Carta Capital; 03/06
http://bit.ly/2K0jNiu

“O dia começa antes do expediente, planejando e agendando as atividades da semana que vão incluir ensino: aulas, correção de provas, preparação de trabalhos e reuniões com outros professores; pesquisa: análise de resultados, estudo para novas investigações, orientação de estudantes, redação de artigos científicos para publicação e reuniões com grupos de pesquisa; na extensão: reuniões para organização de um evento de divulgação científica, novos projetos de extensão, e administração: participação em comissões e reuniões de planejamento.” Este é o resumo de uma segunda-feira na vida do professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo, Moacir Antonelli Ponte. Em um momento em que as universidades, professores e estudantes são enquadrados em narrativas de balbúrdia que colocam em xeque a atividade universitária, Ponte teve a ideia de criar uma página para relatar o seu dia a dia na instituição.