Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de
Ensino de Presidente Prudente e Região

NOTÍCIAS DO DIA
O que mais incomoda os professores, a falácia por trás das escolas cívico-militares, os assuntos que mais caem no Enem, e mais.

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Clube de Vantagens agora está no aplicativo!
Clique aquihttp://fepesp.org.br/noticia/6525/, para ver como funciona,
como baixar, instalar e apresentar aos seus colegas.

 



Escolas cívico-militares têm base
em argumento enganoso, diz especialista

UOL; 24/10
http://bit.ly/31LiVlZ

Apresentados pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) como base para a implantação de escolas cívico-militares no país, os argumentos de que esse modelo trará mais segurança para as unidades de ensino e mais qualidade para a educação básica no Brasil são classificados como enganosos por Priscila Cruz, presidente-executiva do Todos Pela Educação. “Do ponto de vista técnico, o modelo não se sustenta”, diz a especialista. Segundo ela, não há indicadores que apontem para a eficiência das escolas cívico-militares. “A população que faz essa demanda por escolas cívico-militares acreditou em um argumento enganoso de que elas são melhores”, afirma.

Saúde e educação podem somar mínimo
único de gastos em pacto federativo

Valor Econômico; 24/10
https://glo.bo/2Nd9UwP

Uma das hipóteses mais fortes dentre as discussões em torno das propostas de emenda à Constituição sobre o novo pacto federativo está na junção dos mínimos de gastos em saúde e educação em um único limite, o que permitiria que esses entes pudessem escolher em qual área poderiam gastar mais conforme sua conveniência, segundo informou uma fonte ao Valor.

Artigo | O que é pior para o professor:
salário baixo ou desrespeito dos alunos?

Folha de S. Paulo; 24/10
http://bit.ly/2p46YuC

Por Laura Mattos: O que mais incomoda os professores no Brasil: os baixos salários ou o desrespeito dos alunos? Quase empata, mas a desvalorização, a perda de autoridade, a violência e a falta de respeito em sala de aula são considerados problemas mais graves do que o da remuneração. Esses são os aspectos que mais causam insatisfação dentre os docentes no país, sendo citados por 30% deles, enquanto os salários –a renda média é de R$ 4.820– ocupam o segundo lugar, com 26%. Na sequência estão a falta de estrutura das escolas (22%), o desinteresse dos alunos e das famílias pelo aprendizado (14%) e a carga horária muito pesada (7%).

Artigo | Fundeb na mira dos privatistas
Contee; 25/10
http://bit.ly/32Nmx8z

Por Madalena Guasco Peixoto: O ministro da Educação, Abraham Weintraub e a equipe econômica do governo não querem que o Fundeb continue existindo e muito menos que se torne permanente. Menos ainda que seja ampliada a contribuição da União no Fundo, mesmo que de forma progressiva em dez anos. O baixo investimento, entretanto, não é o único problema de um governo que já demonstrou por diversas vezes (e continua demonstrando sistematicamente) não ter qualquer compromisso com a educação, sobretudo com a educação pública, gratuita e de qualidade socialmente referenciada. É preciso não perder de vista que se trata de uma administração eminentemente privatista. E que, como tal, não se acanhará em dar ouvidos às vozes que, perniciosamente, já defendem que o fundo seja destinado também às escolas privadas.

Artigo | Enfrentando a crise de aprendizagem
Folha de S. Paulo; 25/10
http://bit.ly/2PiUh9P

Por Claudia Costin: Em vários ramos de atividade, costuma-se fazer “benchmarking”, ou a busca de quem teve, a partir de indicadores, um desempenho superior, para, em seguida, identificar as práticas que levaram a esse resultado positivo e, eventualmente, copiá-las. Uma das maneiras de fazer benchmarking em educação na presente crise de aprendizagem que vivemos é olhar para o ranking do Pisa, uma avaliação organizada pela OCDE com base nas competências que jovens precisam ter para uma vida adulta plena, e verificar o que os mais bem-sucedidos fazem e que nós não estamos fazendo. O importante não é cada medida isolada, mas a inter-relação entre diferentes iniciativas que países com resultados melhores adotam.

 


Saiba quais são os assuntos que mais caem no Enem
Estadão; 24/10
http://bit.ly/2qCK7qa

Para quais temas é preciso dar mais atenção na hora de estudar para o Enem? A dúvida pode ter resposta no levantamento feito pelo SAS. A plataforma de educação reuniu os assuntos mais cobrados de 2009 a 2018, nas diversas matérias exigidas no ensino médio.

Muitos cursos: advogados enfrentam
mercado em queda e alta concorrência

Valor Econômico; 25/10
http://bit.ly/2PggBAO

Apesar da ausência de pesquisas oficiais, o Brasil aparece entre os países que mais oferecem cursos de direito no mundo. Até agosto, havia 1.635 faculdades e 315.204 vagas disponibilizadas, de acordo com a OAB. Até o mesmo período, 121 cursos haviam sido autorizados pelo Ministério da Educação (MEC), com potencial de abrir 14.891 vagas.


Uniesp: Corinthians anuncia novo patrocinador
para substituir Universidade Brasil

Terra; 23/10
http://bit.ly/2NbTogv

O Corinthians confirmou nesta quarta-feira a Totvs como novo patrocinador do seu uniforme. A empresa responsável pelo desenvolvimento de softwares terá sua marca estampada nos ombros da camisa alvinegra a partir de janeiro. Substituirá a Universidade Brasil, envolvida em escândalo de corrupção. A instituição enfrenta dificuldades financeiras e teve o dono José Fernando Pinto da Costa preso, acusado de fraude no Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).

 


Emendas e projeto complementar ainda podem
atenuar prejuízos da ‘reforma’ da Previdência

Rede Brasil Atual; 25/10
http://bit.ly/32O6vLs

Vista como um dos trunfos do governo Bolsonaro, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, referente à “reforma” da Previdência, aprovada nesta quarta-feira (23) pelo Senado, tem vários pontos criticados pela oposição e tidos como prejudiciais para os brasileiros, mas também ficou distante do que pretendiam o Executivo e os governistas. A PEC será promulgada, mas condicionada a uma PEC paralela (133) – com temas que deixaram de ser discutidos na reforma – e a um projeto de lei complementar (PLP) com regras para aposentadoria especial de categorias com trabalho perigoso, como mineiros e profissionais que lidam com agrotóxicos, dentre outros.

Trabalhador que contribuiu por 20 anos
vai perder mais de 30% da aposentadoria

Contee; 24/10
http://bit.ly/2JkEjbi

A propaganda do governo de Jair Bolsonaro (PSL) de que a reforma da Previdência era necessária para combater privilégios é desmentida com uma matemática simples que demonstra que os mais pobres vão pagar a conta. Um exemplo é o trabalhador que conseguiu contribuir com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) por 20 anos (tempo mínimo necessário para a aposentadoria com as novas regras) e está a poucos meses de se aposentar por idade, aos 65 anos.


SP: Sinpro leva você para assistir
“À sombra de uma suspeita” na faixa

SinproSP; 24/10
http://bit.ly/365JZzT

SinproSP em parceria com a produtora DZ.7 Produções Artísticas e Culturais dá as professoras e professores sindicalizados um par de ingressos para assistir a peça teatral “À sombra de uma suspeita”, um thriller policial de suspense, no Teatro Ruth Escobar. A peça, escrita por Wilson Roque Basso, traz um texto inteligente com pitadas de humor e alguns questionamentos: Até onde vale a pena cometer um crime para ser feliz?

São José do Rio Preto: Sinpro e a luta contra o Colégio Invictus
Sinpro São José do R. Preto; 25/10
http://bit.ly/2Wdvzck

O Sinpro-Rio Preto vem, por meio desta nota, esclarecer sobre a situação das professoras e professores do Colégio Invictus e reiterar sua disposição de luta em defesa de nossa categoria e do conjunto da classe trabalhadora. Dentre as irregularidades encontradas na empresa citada, destacamos as seguintes: Pagamentos realizados com atraso; Férias pagas em atraso; FGTS não depositado.

 


Com 4 a 3 a favor de prisão em segunda instância,
STF suspende julgamento por duas semanas

Rede Brasil Atual; 24/10
http://bit.ly/2PkEKX0

Após o voto do ministro Ricardo Lewandowski, contra a prisão em segunda instância, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, suspendeu o julgamento das Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) 43, 44 e 54. O placar está em 4 votos a 3 a favor da prisão antecipada da pena, mas o voto da ministra Rosa Weber indica que a jurisprudência do STF em vigor, que autoriza a prisão após o segundo grau, será revogada. O voto de Rosa era considerado o mais imprevisível. Foi o único que mudou até agora, em relação ao julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em abril de 2018. Ainda faltam votar os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cármen Lúcia. Desses, apenas o voto de Cármen é esperado entre os favoráveis à prisão em segunda instância. Se a expectativa se confirmar, o placar será de 6 a 5 contra a execução antecipada de pena.

Lula seria libertado, mas Cabral e Cunha seguiriam presos
Valor Econômico; 25/10
https://glo.bo/2Nb7dMd

Se o Supremo Tribunal Federal (STF) de fato reverter o próprio entendimento firmado em 2016 sobre o início da execução de pena em regime fechado após decisão colegiada em segunda instância, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será um dos réus célebres da Operação Lava-Jato imediatamente beneficiados pela modificação. Suspenso no final da tarde de ontem, o julgamento no STF será retomado só em novembro.