NOTÍCIAS DO DIA

Renúncia coletiva na coordenadoria de pós graduação, questão com resposta errada no Enem, Brasil com menor rejeição à vacina, e mais:

Por terça-feira, 30 de novembro de 2021

Pode comemorar! A convenção coletiva da Educação Básica é uma grande vitória para todas as professoras, professores e auxiliares de administração escolar. Veja aqui:  https://youtu.be/MFdxtF11IlA

 

 

 

 

Mais de 50 pesquisadores da Capes pedem renúncia coletiva

Folha de S. Paulo; 29/11
https://bit.ly/31amgk2

Um grupo de pesquisadores ligados à Capes, órgão do MEC (Ministério da Educação) responsável pela pós-graduação no país, pediu renúncia coletiva. Eles criticam pressão para acelerar ações para abertura de novos cursos, para aprovar ofertas a distância e um suposto descaso da liderança da Capes na retomada da avaliação dos programas.

Três coordenadores e 28 consultores da área de avaliação de matemática/probabilidade e estatística assinam uma carta de renúncia divulgada nesta segunda-feira (29). A informação foi publicada pelo jornal O Globo e confirmada pela Folha.

Esses pesquisadores trabalham nos processos de avaliação do sistema de pós-graduação do país. Os coordenadores são nomeados pela Capes para mandatos de quatro anos e o restante atua como assessor nesses trabalhos, todos em atividades não remuneradas, mas de importância central no sistema.

 

Se a pós-graduação está em perigo, o futuro está em perigo’
UFMG; 29/11
https://bit.ly/3riQ213

O fomento à pós-graduação brasileira deixou de acompanhar seu grande crescimento nos últimos anos, lembrou na tarde de hoje a reitora da UFMG, Sandra Goulart Almeida. “Precisamos insistir em um modelo de financiamento sustentável e sustentado, por meio da Capes e outras agências, o que nos possibilitará planejar a gestão da pós. A instabilidade na alocação de recursos tem impacto negativo nos programas e na produção científica no Brasil. Se a pós-graduação está em perigo, o futuro está em perigo”, afirmou.

 

Carta aberta em defesa da Avaliação da qualidade da Pós-Graduação pela Capes
Abrasco; 29/11
https://bit.ly/3p6EpHO

A comunidade científica brasileira acompanha atônita a situação na qual se encontram as políticas de educação, ciência e tecnologia. Não bastasse o cumulativo processo de desfinanciamento com redução de recursos de toda ordem, notadamente o fomento à pesquisa científica, chega-se em tempos recentes ao desmonte do conjunto de políticas, instâncias e agências que mobilizam e executam a própria política pública nacional, como no caso do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

 

ENEM 2021

Enem 2021: Gabarito sai em 1º de dezembro e resultado será anunciado em 11 de fevereiro
Estadão; 29/11
https://bit.ly/3ruGDDs

No dia 11 de fevereiro serão divulgados os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021, mas o gabarito da prova, que permite ao estudante avaliar seu número total de acertos, será publicado nesta quarta-feira, dia 1º, segundo informou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Nos dois últimos fins de semana foram realizadas as provas do Enem (Linguagens, Ciências Humanas, Ciências da Natureza, Matemática e Redação), nos dois domingos, diante de muita polêmica sobre se houve interferência do governo federal nos conteúdos, após denúncia dos servidores do Inep de que isso estaria ocorrendo, e expectativa dos estudantes sobre o teor do exame.

 

Cursinhos apontam questão sem alternativa correta
Estadão; 28/11
https://bit.ly/32N2LyP

Professores de cursinhos ouvidos pelo Estadão apontaram que pelo menos uma questão da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) realizada neste domingo, 28, não tinha alternativa correta. Os candidatos resolveram, no total, 90 questões de Ciências da Natureza e Matemática.

A questão apontada como sem resposta é a 157 da prova rosa (138 da prova azul, 155 da prova cinza e 178 da prova amarela). Trata-se de uma questão de Matemática, que abordava os times campeões da Copa do Brasil. Segundo Mário Fernandes, professor de Matemática do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante de Campinas, a resposta encontrada pelos professores não confere com nenhuma das alternativas apresentadas. O mesmo problema foi apontado pelo professor de Matemática do Curso e Colégio Objetivo Marcelo da Silva Melo.

 

Enem 2021 tem o menor número de participantes desde 2004
Folha de S. Paulo; 29/11
https://bit.ly/3o7TbyG

O Enem 2021, realizado nos dias 21 e 28 deste mês, registrou 29,9% de faltosos. Dos 3,1 milhões de inscritos esperados, 930 mil não compareceram ao exame.

Fizeram de fato o Enem 2.179.559 pessoas. É o menor número de participantes desde 2004, quando a prova funcionava apenas como uma avaliação.

Dessa forma, este foi o menor número de inscritos desde que o Enem é usado como acesso ao ensino superior. A partir de 2005 o exame passou a ser usado para o ProUni (Programa Universidade para Todos) e, em 2009, ganhou o formato atual e tornou-se vestibular para a maioria das universidades federais.

 

Artigo: ‘A educação negligenciada’
Valor Econômico; 29/11
https://glo.bo/3G01in7

Por Gregório Grisa, professor do Instituto Federal do Rio Grande do Sul, doutor em Educação: “Levantamento divulgado no Valor sobre a execução orçamentária dos Estados na área da educação demonstra que em 2021, à revelia do importante incremento na arrecadação, houve redução na aplicação de recursos na área em comparação com 2019 (7,3% abaixo). O quadro nos municípios não é diferente, a maioria não tem aplicado o mínimo constitucional no ano corrente.

Analisando a execução da função Educação da União até o mês de outubro para cada ano, corrigindo pela inflação de setembro último, identificamos que 2021 registra a menor aplicação dos últimos dez anos. Portanto, enquanto país, na contramão da maioria das nações analisadas pela OCDE, o Brasil não aumentou os recursos educacionais para combater os problemas trazidos pela crise sanitária (inclusão digital, adaptação das instalações escolares para o retorno presencial), ao contrário, os reduziu.

Estamos cansados de ouvir que o Ministério da Educação foi omisso durante a pandemia no que tange a sua função legal de coordenar as políticas educacionais. É verdade, mas nossos problemas são bem maiores do que isso. Alguns gestores locais e regionais se preocupam em aprovar uma anistia para quem não cumprir a Constituição (PEC 13/2021) e em mudar o indexador do piso nacional que valoriza os salários dos docentes (ainda defasados em relação aos trabalhadores com mesma formação). Poderiam dedicar a mesma energia para qualificar a gestão educacional, blindando-a de interesses políticos imediatistas e da mediocridade, para fins de cumprir a lei e executar os recursos de forma eficiente”.

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Santos: Educação exibirá conteúdo em TV aberta a partir de 2022
Prefeitura Santos; 29/11
https://bit.ly/31aj5sC

A partir do próximo ano letivo, em 2022, os programas pedagógicos elaborados por professores e alunos da Rede Municipal de Santos passarão a ser transmitidos em TV aberta. O projeto, coordenado pela Secretaria de Educação (Seduc), atenderá à programação curricular de Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

O acordo de cooperação foi assinado nesta segunda-feira (29), juntamente com a Fundação Costa Norte, mantenedora da TV Cultura Litoral. De acordo com o coordenador pedagógico da Seduc, Jadir Bataglia, a expectativa é de que, no próximo ano, seja construído um estúdio, com a adaptação de uma sala no Centro de Capacitação Darci Ribeiro, e a contratação de uma produtora, que fornecerá mão de obra e equipamentos técnicos para a produção de conteúdos próprios, juntamente com alunos, professores e toda comunidade escolar.

 

São Paulo: Prefeitura de SP abre cadastro para professores de Educação Infantil, Fundamental e Médio
Prefeitura SP; 29/11
https://bit.ly/31hHb4w

A Secretaria Municipal de Educação de São Paulo está com inscrições abertas para cadastramento para eventual contratação de professores para atuação em escolas municipais da capital por tempo determinado, pelo prazo de doze meses. São 6.889 vagas abertas. Os interessados têm até o dia 8 de dezembro para preencher o formulário online (Link).

Os contratados irão exercer suas funções em Unidades Educacionais da Educação Infantil até o Ensino Médio. As vagas se referem às funções de Professor de Educação Infantil, Professor de Educação Infantil e Ensino Fundamental I e Professor de Ensino Fundamental II e Médio. Cada candidato pode se inscrever em apenas uma Diretoria Regional de Educação.

Podem se candidatar às vagas qualquer professor com habilitação para docência na Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental, além de professores de Ensino Fundamental e Médio com habilitação em Ciências, Educação Física, Geografia, História, Português, Matemática, Artes, Inglês, Biologia, Física, Química, Espanhol, Sociologia e Filosofia. É obrigatória a apresentação de diploma registrado da habilitação, acompanhado do respectivo histórico escolar.

 

Campinas: Sinpro apoia criação do Dia da Educação Pública no município
Sinpro Campinas; 29/11
https://bit.ly/32zqPoD

O Sinpro Campinas e Região, enviou ofício à Câmara dos Vereadores,nesta sexta-feira (26) em apoio a criação do Dia da Educação Pública, a ser comemorado anualmente em 28 de novembro, como integrante do calendário oficial da cidade de Campinas. O Projeto de Lei é de autoria da vereadora Guida Calixto (PT).

No ofício, o Sinpro Campinas salienta o interesse em instituir a data de 28 de novembro como um dia de luta Pela Educação Pública e um “dia de luta pela democratização de cada espaço público, espaços mantidos por toda a população.”

 

CORONAVÍRUS

Variante ômicron é resultado de acumular vacinas e deixar África de fora, diz especialista
Folha de S. Paulo; 29/11
https://bit.ly/3limoVF

O surgimento da variante ômicron do coronavírus tem causado polêmica e preocupação em todo o mundo nos últimos dias, especialmente depois que vários países restringiram e até proibiram a entrada de passageiros que chegam em voos de pelo menos seis países africanos.

No Brasil, o Ministério da Saúde afirmou em nota que não registrou casos de infecção pela variante no país. O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, publicou no Twitter que a partir desta segunda-feira (29) o país vai fechar as fronteiras para voos vindos da África do Sul, Botsuana, Eswatini (Suazilândia), Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

 

Brasil é país com menor rejeição à vacina na América Latina, diz Banco Mundial
FSP; 29/11
https://bit.ly/3d3aT08

O Brasil é o país com o menor percentual de população que declara não querer tomar a vacina contra Covid-19 na América Latina.

É o que concluiu uma pesquisa feita em parceria pelo Banco Mundial e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a partir de ligações telefônicas periódicas a domicílios de 24 países da América Latina. Os dados da segunda fase do levantamento foram apresentados nesta segunda-feira (29) em Washington.

 

 

 

 

Os argumentos em defesa da cultura livre, segundo este livro
Nexo; 30/11
https://bit.ly/3Ed0Wcg

Criar um ambiente em que a cultura é compartilhada livremente é essencial para a construção de uma sociedade mais justa, na visão do jornalista Leonardo Foletto, autor do recém-lançado livro “A cultura é livre: Uma história da resistência antipropriedade”, da editora Autonomia Literária, em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo. Prefácio de Gilberto Gil.

 

“Este livro investiga a cultura livre também entre dois lados conhecidos: o da remuneração aos criadores, que deveria garantir a continuidade na produção de suas obras, e o do acesso, (re)uso e circulação das obras, que prometeria à humanidade o direito de fruí-las e recriá-las. Nesses dois pólos, muitas vezes colocados como antagônicos, há nuances e questionamentos”, escreve.

Para ele, um modelo ideal que conciliaria a reprodução livre de criações intelectuais e a remuneração de seus autores envolve o estabelecimento de um contrato social entre autores e público.

“Nos casos de obras estéticas e que informam o pensamento de alguém, ter a liberdade de fazer cópias já seria suficiente para que qualquer pessoa pudesse compartilhar como e onde bem quisesse, vetando o uso comercial e certas possibilidades de modificação da obra que pudessem alterar ou deturpar a visão proposta pelo seu autor.”

Nele, o pagamento seria espontâneo pelo público, como uma doação, ou obrigatório, em circunstâncias como a exibição de um filme dentro de uma empresa privada, por exemplo.

“Aos trabalhadoras/es, por exemplo, seria permitido o uso, inclusive comercial, da obra cultural, mas não àqueles que explorem o trabalho assalariado, que seriam obrigados a negociar o acesso”, diz o livro.

O modelo se aproxima ao que é defendido pelo sistema Creative Commons, que dá ao responsável por textos, imagens e obras a possibilidade de escolher entre algumas opções que permitem a reprodução, comercial ou não, da obra intelectual.